COMPARTILHE EM SUAS REDES

Os Jetsons, família de um famoso desenho da década de 60, viviam em uma realidade bem diferente para a época: eles tinham relógios de pulso para se comunicar como se fossem um telefone, usavam chamadas de vídeo para falar com alguém distante, assistiam TVs com telas planas e enormes e cada família tinha seu próprio robô assistente - uma máquina que ajudava com o dever de casa e outros problemas.

Essa realidade futurística, no entanto, parece ter previsto o que vivemos hoje: temos os smartwaches, que substituíram os relógios de pulso tradicionais, as videochamadas, que hoje são meio essencial para aulas online e reuniões – principalmente em meio à pandemia do coronavírus que assola o mundo, as TVs estão cada vez mais finas e maiores e os assistentes pessoais digitais já fazem parte da rotina de muitas pessoas.

Tem mais: já estamos experimentando até mesmo a possibilidade de nos deslocarmos de lá para cá em carros que dirigem sozinhos, como é o caso dos carros Tesla e seu sistema de direção semiautônomo.

Mas  nos Jetsons os carros do futuro não eram nada convencionais: eles voavam! Apesar de ainda não termos essa tecnologia disponível, como as outras que apareciam no desenho, essa realidade não parece estar muito longe de existir.

A ideia de trabalhar com veículos que voam não é novidade entre as marcas do setor automobilístico e muitas já têm seus planos para essa inovação. Algumas perguntas, no entanto, passam por nossa cabeça: quando será possível ter um carro voador? Vamos saber dirigir esses carros do futuro? Precisaremos de uma habilitação específica? Isso pode, de fato, sair do papel? Os automóveis tradicionais serão extintos?

Com este artigo, iremos voltar ao passado para falar sobre as primeiras propostas de um carro voador e avançar até o futuro para saber se essas perguntas já têm respostas. Apertem os cintos!


Índice

As tentativas desse criar um carro voador

Como será o carro voador?

O que sabemos sobre o eVTOL?

Cada montadora e seu projeto de carro voador

O mercado automobilístico e a inovação


Imagem de desenho animado Jetsons mostrando carro voador
Desenho animado dos Jetsons apresentava o carro voador desde os anos 60 (Imagem: James Vaughan/Flickr)

As tentativas de se criar um carro voador

Se na década de 60, um desenho infantil já mostrava um futuro com carros voadores, não era à toa. Há indícios de que o primeiro carro voador -- ou, na verdade, a primeira tentativa de construir um automóvel aéreo -- foi feita em 1917, por Glenn Curtiss. O Curtiss Autoplane foi apresentado em uma feira de Nova York, mas acabou não tendo aceitação, por parecer mais um veículo saltando de um ponto a outro do que, propriamente, um carro voador.

Em 1921, veio o Carro Avião, uma nova tentativa, feita por Rene Tampier, de colocar um veículo de quatro rodas no ar. Logo após, em 1922, nasceu o Carro-Cóptero, desenvolvido por Raúl Pateras, com duas hélices para dar mais sustentação.

Foi em 1946, porém, que os modelos de carros voadores começaram a ganhar um destaque maior: a fabricante de foguetes e aviões Convair colocou no ar o Model 116, que consistia em uma cabine com rodas presas a um par de asas. Após 66 voos bem sucedidos, veio uma nova versão, o Model 118 -- que falhou em seu primeiro voo inaugural e caiu, levando o piloto a falecer. As vendas foram encerradas e o projeto de carro voador cancelado logo após o acidente.

Inúmeros novos projetos de colocar um carro no ar surgiram, baseados  nos mais diversos protótipos, e mais alguns terminaram em tragédia. Essas adaptações mais “grosseiras” foram deixadas de lado, em 2006, por uma empresa de Massachusetts – a Terrafugia - que criou um modelo de carro voador do zero: o Transition, modelo de asas dobráveis que rodava com velocidade máxima de 110 km/h no asfalto ou 185 km/h no ar.

Drone branco com quatro hélices voando com céu azul ao fundo
Alguns projetos de carro voador lembram um drone (Imagem: Unsplash)

Como será o carro voador

Ainda que muitas adaptações de automóveis terrestres para ganharem os ares tenham sido projetadas, o conceito envolvendo um carro voador mais aceito hoje em dia é o trazido pela sigla em inglês eVTOL, que é a de um veículo de decolagem e pouso vertical que lembra um grande drone, porém com motorização elétrica.

Mas, então, é um carro, um avião ou um helicóptero? Embora esteja mais conectado a aeronaves, o eVTOL tem sido chamado de “carro voador” graças, em partes, à sua possibilidade de condução autônoma e mobilidade tanto na terra quanto no ar.

O que confunde a mente de muitas pessoas é que os carros do futuro que voam foram mostrados em desenhos e filmes de outra forma, diferente do que provavelmente virão a ser.

Nos Jetsons, por exemplo, o conceito de carro voador era o de uma cápsula que carregava pequenos módulos independentes, que eram liberados para chegarem ao local desejado. Sua infraestrutura possibilitava que o automóvel aterrissasse na varanda de casa. Já no filme Minority Report – A Nova Lei, os carros do futuro podiam se locomover verticalmente, mas não chegavam a voar: vias suspensas eram o que permitia que se deslocassem no ar.

Em Blade Runner, o Spinner era capaz de andar nas ruas e no céu, com decolagem e pouso vertical, além de ter propulsão a jato. No longa-metragem, o veículo era usado em patrulhas policiais, mas os mais ricos podiam obter licença para usá-lo. Já em De Volta para o Futuro, os automóveis convencionais eram capazes de voar e viajar no tempo. Para sua decolagem e pouso, não era necessária nenhuma área específica.

E o que todos esses filmes e desenhos nos mostram com relação ao verdadeiro carro voador? Algumas semelhanças e divergências. O eVTOL envolve pouso e aterrissagem vertical silenciosos, capaz de chegar em varandas de apartamentos, como nos Jetsons, mas não prevê módulos independentes.

Além disso, apesar de vias aéreas serem alternativas viáveis para desafogar o trânsito nas grandes cidades, como mostrava Minority Report, a propulsão a jato do Spinner, até então, não é considerada, bem como será necessária uma área específica para decolagem e pouso.

Por fim, o carro do filme De Volta para o Futuro fica somente na ficção científica, já que, atualmente, nada tem a ver com o conceito de carro voador -- mas ainda rende um ótimo entretenimento, claro.

O que sabemos sobre o eVTOL?

Há, claro, muitas perguntas sobre esses possíveis carros do futuro: em que ano teremos carros voadores? Quanto vai custar um carro voador?

Faltam respostas sobre o assunto mas, até o momento, já temos algumas informações sobre o eVTOL. A primeira delas é que, segundo a Porsche Consulting, em 2035, são esperados cerca de 23 mil eVTOLs nos céus do mundo todo.

Guardar o carro voador na garagem pode até ser possível, mas seu pouso e decolagem seria um desafio, principalmente em subsolos. O ideal seria, talvez, um carro com dois módulos – aéreo e terrestre.

Partindo desse princípio, o destino mais provável para o uso do eVTOL seria como uma forma inovadora de serviço de táxi aéreo, já que a tendência é que seu custo não seja dos mais acessíveis e que demandem uma habilitação especial, como a de pilotos de helicópteros. Uma proposta que também existe para o carro voador, no entanto, é que ele seja autônomo e não dependa de pilotagem humana.

Imagem em 3D de projeto de carro voador da Uber
Uber é uma das empresas que já apresentou seu projeto de carro voador (Imagem: Uber/divulgação)

Cada montadora e seu projeto de carro voador

Em meio à inovação de colocar um carro voador elétrico no mercado, algumas montadoras se animaram e já têm, inclusive, previsão de quando os eVTOLs estarão disponíveis para uso.

Enquanto a infraestrutura ideal para ter um eVTOL não é acessível para todos, os primeiros planos das fabricantes com o carro voador se voltam a serviços, como entregas ou transporte de pessoas. Mais adiante, com uma eventual queda nos preços, é esperado que algumas pessoas possam adquirir seus próprios carros do futuro, visto que algumas empresas já investem nesse tipo de projeto para o consumidor final.

Vamos conhecer o que está por vir?

Hyundai e Uber

Um dos protótipos mais comentados no que diz respeito aos veículos aéreos é o da Hyundai em parceria com a Uber. Apresentado em janeiro de 2020, o projeto tem asas de avião com hélices de helicóptero, além de um motor elétrico com autonomia estimada em 100 km, podendo chegar a 290 km/h de velocidade máxima e 600 metros de altitude.

O Urban Air Mobility (UAM), como é chamado, vai poder levar até cinco pessoas, sendo um motorista e quatro passageiros. Posteriormente, a ideia é tornar o veículo totalmente autônomo.

O modelo da Hyundai faria parte da divisão Elevate do Uber, cujo valor da tarifa seria equivalente ao do UberX.

Toyota e Joby Aviation

A Toyota, em parceria com a empresa americana Joby Aviation, também tem um protótipo de automóvel alado em andamento. O carro voador terá capacidade para quatro passageiros e o piloto, seis hélices, um alcance de 240 km e velocidade máxima de 320 km/h.

Carro voador da Pal V trafegando em rua de cidade com prédios ao fundo
Modelo de carro voador da Pal V tem design diferenciado (Imagem: Pal V/divulgação)

Pal-V

Outra companhia que tem seus planos para o espaço aéreo e o setor automobilístico é a holandesa Pal-V, que apresentou, em 2019, o Liberty Pioneer, modelo inicial de carro voador da empresa.

O carro do futuro será movido a gasolina e terá uma autonomia de 1,3 mil km no chão e até 500 km no ar. Além disso, o carro voador da Pal-V contará com hélices que o transformam em um tipo de drone ou, na verdade, um girocóptero, já que ele possui, também, um motor propulsor traseiro para locomoção.

Terrafugia

Há certo tempo testando protótipos de carros voadores, agora a Terrafugia pretende colocar no mercado, até 2025, o modelo TF-X, um eVTOL que poderá rodar tanto nas ruas quanto no céu. Ele deverá possuir dois motores elétricos e capacidade para comportar até quatro pessoas, além de ser autônomo e não depender de um piloto.

O grande chamariz do TF-X é que a Terrafugia garante que ele caberá em uma garagem convencional, necessitando apenas de um espaço de cerca de 30 metros para levantar voo.  

Aeromobil

A Aeromobil, até então, talvez seja a empresa que chegou mais perto de ter sucesso com um protótipo de carro voador. O AirCar tem uma proposta mais realista, sendo um veículo para as ruas que se transforma em um automóvel que voa com um simples apertar de botão. Ainda assim, é difícil esconder esse carro na cidade: suas hélices e asas ficam expostas.

Carro voador da Terrafugia voando com céu azul ao fundo
Terrafugia foi uma das primeiras  a apresentar seu modelo de carro voador (Imagem: Terrafugia/divulgação)

Volkswagen

Recentemente, a Volkswagen também anunciou estar na corrida para lançar um carro voador. Em comunicado, a montadora acredita na direção autônoma e no conceito de mobilidade vertical, por isso vem buscando parceiros para industrializar essa abordagem.

Embraer

Um carro voador genuinamente brasileiro? É o que promete a EVE, empresa subsidiária da Embraer: o eVTOL da companhia brasileira já possui 250 unidades encomendadas para 2026. Uma das compradoras é a Halo, empresa de táxi aéreo que atua nos EUA e Reino Unido. 

O mercado automobilístico e a inovação

Ao imaginarmos um carro voador, após vermos essa realidade na prática em desenhos e filmes, é natural pensarmos que a tecnologia tem promovido uma série de inovações e que esse futuro pode ser possível em um curto período de tempo.

Enquanto não temos os carros voadores em mãos  - tampouco a infraestrutura necessária para tê-los em casa, a habilitação para pilotá-los e o dinheiro para investir nessa tecnologia - ainda assim podemos estar em contato com esse universo de novidades proporcionado pelo setor automobilístico.

Um exemplo disso vem da CARUPI, uma startup de tecnologia focada em uma melhor experiência para quem compra ou vende um carro por meio da internet. O conceito envolvido nessa solução é simples: a negociação de veículos usados e seminovos é feita com o auxílio de processos automatizados e da expertise de executivos que avaliam preços de mercado, filtram as melhores ofertas e, ainda, auxiliam nos meios mais indicados para pagamento.

Jovem rapaz relaxando em sofá de sua casa e acessando site da Carupi para comprar e vender carros online
Comprar e vender carros sem sair de casa também faz parte do futuro dos carros (Imagem: Unsplash)

Com isso, de forma prática, rápida e segura, quem vende seu carro com a CARUPI conta com diversos benefícios: fotos profissionais do veículo, anúncios na plataforma da empresa e nas maiores do mercado, e o apoio de um time que vai em busca das melhores ofertas, obtendo valores mais atraentes que a média do mercado.

Já quem compra um usado ou seminovo na CARUPI também tem vantagens adicionais: um catálogo de veículos com filtros para pesquisar e encontrar o carro ideal - desde esportivos de luxo até carros usados baratos - e a tranquilidade de saber que todos os carros passam por perícia antes de finalizar o processo, além do auxílio da equipe da startup para encontrar os melhores meios de pagamento, incluindo opções de financiamento mais atrativas.. 

A grande inovação é que tudo isso pode ser feito  por meio do nosso app ou website, sem que seja necessário sair de casa: a CARUPI cuida até para que a documentação seja assinada no conforto do seu lar. 

O test-drive também ganha mais conveniência, tanto para quem vende quanto para quem compra: a CARUPI se encarrega de buscar o carro com o vendedor, levá-lo ao interessado e devolvê-lo após o teste, que conta com seguro e é sempre acompanhando de perto por nossa equipe. 

Ainda que o sonho de voar em um carro demore um pouco para se realizar, quem tem os pés no chão na hora de negociar carros pode aproveitar toda a tecnologia a seu favor encontrando o automóvel ideal ou vendendo de um jeito inovador com a CARUPI. 

Não deixe de acompanhar nosso blog e conferir outras matérias como essa.