COMPARTILHE EM SUAS REDES

Quem nunca dirigiu um veículo com transmissão automática não sabe o que está perdendo. 

A sensação única de guiar sem pisar no pedal da embreagem – que nos carros desse tipo não existem – e nem mover a alavanca de câmbio centenas de vezes por dia, provoca um sentimento inegável de liberdade, principalmente para quem enfrenta o trânsito pesado das grandes cidades diariamente.

Como as trocas de marchas ocorrem em frações de segundo, de forma silenciosa e sem solavancos, o aproveitamento de força do motor é potencializado. Outro fator importante é a segurança: como não há possibilidade de erros ao mudar as marchas, acidentes também são evitados e, mesmo parado em uma subida, o motorista pode sair com o veículo sem precisar controlar a embreagem, evitando que o carro recue. 

E tem mais: nunca foi tão fácil comprar carros com esse tipo de câmbio. Com o avanço tecnológico, os preços estão cada vez mais acessíveis e já existem até compactos nessa categoria.

Com tantas vantagens, uma coisa é fato: o brasileiro cada vez mais vem se rendendo às facilidades que só o carro automático pode oferecer. Em 2020, metade dos automóveis licenciados por aqui não tinham o pedal da embreagem. 

Vale lembrar que esses dados também refletem o aumento de vendas para PCDs (Pessoas com Deficiência), que normalmente compram veículos automáticos mas, mesmo assim, são números extremamente expressivos e que apontam mudanças no mercado automobilístico. 

Portanto, se você também anda pensando na possibilidade de comprar um carro automático, esse artigo foi feito para você. Nele, vamos tirar dúvidas e fornecer informações fundamentais para quem quer entender mais sobre o assunto. 

Coloque o pé no acelerador e vamos lá!

  

Índice de Conteúdo:

 

 

Como funciona o câmbio automático?

Ao olhar para o câmbio automático, surge a primeira dúvida: o que significam todas aquelas letras e números? 

Na verdade, a operação do sistema é bem mais simples do que se imagina e todos os câmbios desse tipo possuem as mesmas posições universais: letras P, R, N e D, que são iniciais de palavras em inglês, e os números 1,2,3. 

Confira o significado de cada um deles:

P: “Parking”
É engatada com o veículo estacionado antes de ser desligado e com o freio de estacionamento acionado. Quando acionada, faz com que as rodas fiquem travadas, impedindo a movimentação do automóvel. 

D: “Drive”
Deve ser selecionada antes de começar a dirigir, para fazer com que o veículo se movimente e que as marchas sejam trocadas automaticamente. É preciso atenção, pois o carro já começa a se movimentar assim que o pé é retirado do freio, mesmo sem pisar no acelerador. 

R: “Reverse”
Serve para engatar a marcha à ré. 

N: “Neutral”
Posição neutra, conhecida nos carros de câmbio manual como ponto morto.

Detalhe de alavanca de câmbio automático em carro de luxo
Letras e posições de câmbios automáticos costumam apresentar poucas variações (Imagem: Pexels)

Algumas transmissões automáticas ainda trazem as letras L e S:

L: “Low”
Indicada para uso apenas em subidas acentuadas, faz com que o câmbio permaneça em primeira marcha para que o veículo suba com mais facilidade. 

S: “Sport”
Torna a condução mais esportiva, ao realizar as trocas de marcha em uma rotação mais elevada, ampliando a utilização do motor. 

POSIÇÕES 1, 2 e 3
Indicam as marchas a serem utilizadas. Com a alavanca na posição "3", por exemplo, o carro não passará da terceira marcha, mesmo que o motorista acelere. Sua função é assegurar que o carro tenha força nas subidas, para percorrer pisos com baixa aderência ou utilizar o freio-motor em descidas.

Qual a diferença entre câmbio automático e câmbio automatizado ou semiautomático? 

Na hora de optar pela compra de um veículo com transmissão automática, muita gente acaba confundindo carros com câmbio automático com veículos de câmbio automatizado ou semiautomático.

Na verdade, ambos têm apenas uma coisa em comum: você só precisa acelerar ou frear, já que as marchas e engrenagens são ajustadas pelo próprio sistema de cada um deles, conforme a velocidade aumenta ou diminui. 

A diferença está na forma como o veículo troca as engrenagens e marchas na caixa de câmbio que fica junto ao motor. 

Nos carros automáticos, um conversor de torque envia a força do motor para o câmbio por meio de um sistema hidráulico. Dependendo da pressão do pé no acelerador, o sistema muda as engrenagens e troca as marchas. 

Detalhe de mulher de negócios segurando câmbio automático de carro de luxo enquanto dirige
É importante conhecer as diferenças entre o câmbio automático e o automatizado (Imagem: Freepik)

Já o veículo de câmbio automatizado ou semiautomático funciona como as embreagens manuais, só que através de um sistema elétrico-hidráulico com dois acionadores, onde um funciona como o pedal de embreagem e o outro como a alavanca de marchas convencional. Eles captam as alterações de velocidade e enviam a informação para que a embreagem e as marchas sejam ajustadas. 

Graças ao seu sistema de transmissão, que leva em conta diversas informações além da velocidade na hora de engatar a marcha, o câmbio automatizado proporciona maior economia de combustível. 

Existem ainda sistemas automatizados com dupla embreagem, onde um aciona as marchas pares e outro as ímpares. Conforme as embreagens percebem as ações dos pedais de aceleração e freio, elas já deixam a próxima marcha pré-engatada e fazem a passagem de forma bem suave.

Na dúvida, qual dos dois escolher? 

Se você procura economizar combustível, o câmbio automatizado é a melhor pedida. Agora, se faz questão de não sentir a troca de marchas, os automáticos são a escolha certa.

Qual é a vida útil do câmbio automático?

Não havendo problemas de operação ou de qualidade, é possível rodar até 150 mil quilômetros com um carro automático sem a necessidade de troca de peças. Em alguns casos, a vida útil pode alcançar 300 mil km.

Como dirigir um carro automático

Dirigir um carro automático não é um bicho de sete cabeças - ou de sete marchas, se preferir. Na verdade, torna-se algo muito simples e intuitivo logo após os primeiros movimentos com os pés nos pedais, e sem as mãos no câmbio. 

Abaixo, preparamos algumas dicas iniciais de como dirigir um veículo com câmbio automático, mas note que existem variações entre os sistemas, então, sempre leia com atenção o que diz o manual do automóvel.

Saindo com o carro
Em alguns modelos, é preciso  colocar o veículo em ponto morto, na posição N (Neutral) e ligar o carro. Em outros, basta pisar no freio antes de dar a partida. Com o pé no freio, coloque a posição desejada na alavanca de câmbio: para frente, D (Drive) ou, para trás, R (Reverse). Assim que o câmbio estiver na posição desejada, vá tirando o pé do freio devagar para que o veículo comece a rodar suavemente. A aceleração será imediata.

Após liberar o freio, siga acelerando da forma que achar melhor, com o câmbio em D (Drive). As marchas serão trocadas automaticamente. Nas demais opções (L, 3, 2 ou 1), a caixa de câmbio ficará em marchas muito curtas, que limitam o desempenho do veículo, forçam o motor e elevam o consumo de combustível.

Nunca acione R (Reverse) ou P (Parking) com o carro em movimento
É claro que ninguém pensaria em engatar a ré com o veículo em alta velocidade, mas no caso dos automáticos, quando você engata R ou P quando o carro não está totalmente parado, é tranco na certa. 

Definitivamente, não se arrisque na banguela
Embora a função N (Neutral) seja como ponto morto de um carro manual, andar com o veículo nessa condição descendo uma ladeira vai exigir muito mais dos freios, que terão que segurar o peso do veículo sozinhos, provocando um desgaste fora do comum. Nesse caso, assim como nos veículos com câmbio manual, o correto é descer engrenado, mantendo o câmbio no D (Drive) e, se for o caso, colocar uma marcha mais segura, como a segunda. 

Ladeira na cidade de San Francisco com diversos carros estacionados em frente a casas de estilo vitoriano
Uso do câmbio automático facilita dirigir e estacionar em ladeiras íngremes (Imagem: Pexels)

Verifique a necessidade de trocar o óleo do câmbio automático
Embora alguns modelos de veículos automáticos dispensem a necessidade de substituição do óleo do câmbio, consulte sempre o manual do proprietário, pois alguns modelos exigem a troca periódica. E, mesmo para os carros que não pedem esse tipo de manutenção, vale ficar de olho no nível de fluído, já que podem surgir vazamentos.  

Atenção nas ultrapassagens
Quando você precisar de mais força do motor, mantenha o pedal do acelerador pressionado até o fim por algum tempo. A central eletrônica vai interpretar que você necessita de mais potência e reduzirá uma ou duas marchas. Essa função é conhecida como “kickdown”. 

Use sempre o freio de estacionamento e acione-o primeiro ao estacionar em ladeiras
Embora a posição P (Parking) trave o carro, impedindo as rodas de girar, ela não substitui o freio de estacionamento – ou freio de mão. Deixar de utilizá-lo pode gerar desgastes no câmbio, danificando-o a ponto de provocar acidentes.

Quando um carro automático é estacionado em subidas ou descidas, o freio de estacionamento deve ser acionado antes da posição P (Parking). Mas, na hora de sair, a ação deve se inverter, colocando primeiro a alavanca em D (Drive) para, só depois, soltar o freio de mão. Isso evita que a alavanca do câmbio automático trave na Posição P (Parking) por conta do peso do veículo.

Frear ou não frear com o pé esquerdo?
Aqui está um assunto controverso, que divide opiniões. Uns são a favor, outros totalmente contra. Como a perna esquerda está acostumada a acionar a embreagem, ela acaba não tendo a mesma agilidade para controlar o freio.

É preciso muito treino para arriscar essa ação, portanto não mude a forma de dirigir de uma hora para outra e evite solavancos ou possíveis acidentes.

Vantagens e desvantagens do câmbio automático

Vantagens

Durabilidade
No sistema automático, o desgaste das peças é muito mais demorado do que no câmbio manual. Isso faz com que ele dure mais e exige menos manutenção.

Conforto
Dirigir um carro com transmissão automática é muito mais confortável, pois não há a necessidade de ficar trocando de marca o tempo todo.

Segurança
Como não é preciso a constante troca de marchas manualmente, o motorista acaba prestando mais atenção no trânsito, o que ajuda a evitar acidentes. 

Fácil de dirigir
De forma geral, a condução de um carro automático é mais simples do que se imagina e até mais fácil do que um carro manual.

Desvantagens

Consumo de combustível
Carros automáticos gastam mais combustível, pois são mais pesados e a conexão do motor com o câmbio - conversor de torque - provoca mais perda de energia do que os de câmbio manual (porém, nos modelos mais novos, o consumo é menor).

Preço do veículo
Como o sistema automático é mais caro de ser produzido, isso reflete no custo final do veículo. No entanto, já existem modelos com preços mais acessíveis. 

Custo de manutenção
Por serem importados, os câmbios automáticos têm um valor de manutenção mais elevado. Apesar disso, eles demoram muito mais tempo para apresentar problemas e cada manutenção feita no carro automático equivale a três nos de câmbio manual. 

Chevrolet Tracker azul em rodovia ladeada por vegetação
Tracker, da Chevrolet, é um dos carros automáticos mais vendidos (Imagem: GM/divulgação)

Os carros automáticos mais vendidos

Confira o ranking dos 10 carros zero quilômetro com transmissão automática mais vendidos entre janeiro e setembro de 2020:

1. Volkswagen T-Cross
2. Jeep Renegade
3. Chevrolet Onix
4. Jeep Compass
5. Hyundai Creta
6. Chevrolet Tracker
7. Chevrolet Onix Plus
8. Toyota Corolla
9. Hyundai HB20
10. Nissan Kicks

Nissan Versa V-Drive em viaduto de cidade grande com prédios e entardecer ao fundo
Versa V-Drive, da Nissan, é um dos carros automáticos de custo mais acessível (Imagem: Nissan/divulgação)

Carros automáticos zero quilômetro mais baratos

Alguns automóveis da lista estão saindo do mercado, como os da linha Ford Ka e o Toyota Etios. Ainda assim, são veículos consolidados e fáceis de revender, o que pode ser uma vantagem para tentar negociar um desconto na hora da compra.

10. Hyundai HB20 Vision 1.6 AT | R$ 72.590
9. Etios hatch X Plus 1.5 AT | R$ 71.390
8. Caoa Chery Tiggo 2 - EX AT | R$ 68.690
7. VW Gol 1.6 AT | R$ 68.490
6. Chevrolet Onix Plus 1.0 Turbo | R$ 68.390
5. Toyota Etios Sedã X 1.5 AT | R$ 68.240
4. Ford Ka 1.5 SE Plus | R$ 68.090
3. Nissan V-Drive | R$ 66.490
2. Chevrolet Onix 1.0 Turbo | R$ 65.390
1. Ford Ka Sedan 1.5 SE | R$ 64.590

Carros automáticos usados por menos de R$ 60 mil

Separamos algumas opções de usados, entre eles hatches e sedãs, alguns com preços que estão na mesma faixa de certos modelos de carros 1.0 novos com câmbios manuais.

CHEVROLET ONIX
É possível encontrar modelos de 2013 a 2015, por preços entre R$ 35 mil e R$ 45 mil.

HONDA CITY
Modelos a partir de 2014, com motor 1.5, são oferecidos por valores que vão de R$ 45 mil a R$ 50 mil

FIAT ARGO
A versão Precision 2017/2018 ainda pode estar dentro da garantia e ser encontrada por preços entre R$ 48 mil e R$ 58 mil.

HYUNDAI HB20S
Uma boa opção de sedan automático usado. Recomendamos os modelos de 2016 para cá, com preços variando entre R$ 40 mil e R$ 50 mil. 

Volkswagen Polo saindo de túnel iluminado em cidade durante a noite
É possível encontrar carros automáticos usados, como o Polo, por preços mais baixos (Imagem: VW/divulgação)

HONDA FIT
Do ano de 2015 em diante, os preços variam entre R$ 45 mil e R$ 55 mil. Também dá para encontrar alguns modelos do top EXL por valores entre R$ 31 mil a R$ 40 mil.

CHEVROLET PRISMA
Dá para encontrar modelos a partir de 2014 com preços variando entre R$ 30 mil e R$ 40 mil, já os pós-facelift - de 2016 em diante – são vendidos a partir de R$ 45 mil. 

VOLKSWAGEN POLO
Dá para achar o modelo Comfortline 1.0 TSI por valores a partir de R$ 54 mil.

TOYOTA COROLLA
Versões GLi 1,8 e até alguns XEi 2.0, a partir de 2015 podem ser encontrados por algo entre R$ 53 mil e R$ 60 mil.

Como comprar ou vender carros automáticos usados e seminovos? 

Agora que você leu nosso artigo, ficou muito mais fácil optar pela compra de um carro com transmissão automática, não é verdade? 

E para entrar com o pé direito na hora de fechar negócio com um carro automático ou automatizado, usado ou seminovo, você ainda pode contar com toda a tecnologia da CARUPI, uma forma inovadora de comprar, vender e trocar automóveis.

Para escolher o carro ideal, basta acessar nosso portfólio de veículos. Depois, é só selecionar o ano, a quilometragem e, na aba “tipo de câmbio”, escolher entre as opções automático ou semiautomático. 

Você ainda pode escolher marcas, opcionais e tipos de carroceria, entre outras opções. Além de ótimos preços, todos os veículos são periciados e têm garantia de procedência. 

Mulher idosa passando roupa e checando mensagens no celular
Pelo celular ou computador, é fácil encontrar modelos automáticos com procedência na CARUPI (Imagem: Pexels)

Então, mais rápido do que você imagina, um membro da nossa equipe concierge irá entrar em contato para agilizar tudo sem que você precise sair de casa. Do test drive – levando o carro para você testá-lo sem custos extras – até a documentação, incluindo as questões burocráticas junto a cartórios. 

E, caso você queira vender um automóvel - automático ou manual - por um preço justo, fugindo dos valores absurdos pagos por revendedores e concessionárias, a CARUPI também cuida de tudo para você: do registro fotográfico do veículo por um fotógrafo profissional, até levar o carro para o comprador avaliar antes de fechar negócio. Tudo coberto por seguro, com a devida precaução. 

Mais fácil do que dirigir um veículo com câmbio automático, só mesmo negociar carros com a CARUPI, não? 

Se quiser saber mais, baixe nosso app, disponível em Android e IOS, acesse nosso website e confira mais artigos em nosso blog.